sábado, 8 de novembro de 2014

o mar mais perto da cidade...

[...] O secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos [...] assumiu que a linha de orientação que está a ser seguida pela equipa nomeada pelo ministro Jorge Moreira da Silva privilegia a questão do chamado “equilíbrio sedimentar”, ou seja, a reposição da deriva de sedimentos (areias), que deixou de acontecer na nossa costa, de norte para sul, com as barragens construídas nos rios e os portos e outras barreiras que, no mar, interrompem esse fluxo [...] 

[...] Filipe Duarte Santos assumiu que é preciso ajudar a população a perceber a natureza do problema e a necessidade do investimento. Que não é tão elevado se virmos, por exemplo, o caso da Holânda, país que há duas décadas deixou de olhar para a defesa da costa como um problema de água, controlável por diques e esporões, para o ver como uma questão de equilíbrio sedimentar [...] 
[...] para o investigador, atirar areia para cima do problema, ou espalhá-la pela linha de costa para que o mar faça o trabalho de encher as praias, é uma solução que deve ser ponderada [...]

Sem comentários: