quinta-feira, 27 de agosto de 2009

R.I.P CABEDELINHO...

Uma das Primeiras aulas de surf realizadas no Cabedelinho Pela escola de surf da Figueira

Nesta foto: Gonçalo Morna, Antonio Bertier, Fabio Cid, Ivan Tomas, Bruno Leonel e Dani.


Eurico Gonçalves

Aula de surf Cabedelinho


Eurico Gonçalves


José Bandeira


Um dia classico no "cabedelinho" em dia de tempestade.


PRESS RELEASE

Obras de prolongamento do molhe Norte da Figueira da Foz fazem a sua primeira baixa

Figueira da Foz, 26 de Agosto de 2009 - Falamos da onda que tinha o nome de “maluca”, uma esquerda que quebrava na praia do Cabedelo, vulgo Cabedelinho, e partia junto ao molhe sul dentro da barra da Figueira da Foz.

Com a passagem da última ondulação e com as obras de prolongamento do molhe norte já bem avançadas, podemos verificar que a onda do Cabedelinho já não existe. É local onde o surf de qualidade não se voltará a ver.

O Cabedelinho servia de refúgio nos dias de tempestade de inverno, e no verão era o sitio onde as escolas de surf da região davam aulas visto este ser um local abrigado e protegido nas tempestades.

Esta era uma onda de qualidade 3; se considerarmos que pipeline no Havai é de qualidade 7 e o cabedelo qualidade 5 esta onda ficava longe desses parâmetros. Mas… esta onda ou se amava ou se odiava. Era, sem margem para dúvidas, o único sitio para surfar em dias de tempestade forte na área limitada a sul até Peniche e a norte até Viana do Castelo.

Muitos foram aqueles que nela surfaram. Vários profissionais aquando da sua participação nos WCT realizados na Figueira da Foz escolheram esta onda para treinar. Foi palco de vários campeonatos regionais e até de um campeonato nacional de Body Board teve realização nesta praia.

Portanto, é cada vez mais urgente discutir esta situação para que o mesmo não aconteça à onda do “Cabedelo”. Acreditamos que o surf será num futuro próximo um dos pólos dinamizadores do turismo na região visto que pelas suas características apresenta-se como alternativa ao turismo sazonal, podendo funcionar tanto de verão como de inverno.

De salientar, o facto de esta comissão não ser contra a obra de prolongamento do molhe Norte, mas sim contra os efeitos negativos que essa mesma obra está a ter na mítica “onda do Cabedelo”, facto que não foi tido em conta aquando da realização do estudo de impacte ambiental da obra.

Não duvidamos que a obra de prolongamento do molhe Norte seja uma mais valia para a região; preocupa-nos sim a questão do desaparecimento da “onda do Cabedelo”, também ela um motor económico para o turismo da região, bem como o problema da falta de areia resultante da erosão costeira a Sul.

O SOS Cabedelo é um movimento cívico não radical cujo principal objectivo reside na procura de soluções que permitam viabilizar simultaneamente uma maior capacidade de exploração do porto comercial da Figueira da Foz e a manutenção das condições naturais que elevam a praia do Cabedelo a um patamar internacionalmente reconhecido pelo surf, palco de diversas etapas do WCT (circuito mundial de surf de elite).

Agendado para Setembro, está já um evento que tem como objectivo sensibilizar a sociedade civil para esta causa e dar a conhecer as várias modalidades praticadas nas ondas, oferecendo uma aula gratuita a todos os interessados.

1 comentário:

Anónimo disse...

Boas pessoal!
Sou do Pedrogão mas a minha praia de eleição é sem duvida o cabedelo.
Vou surfar para la á muitos anos e como não tenho muito tempo para surfar, logo não tenho preparação para mar grande. Sendo que muitas vezes e qd ta muito grande opto pelo cabedelinho.
é uma pena o k estão a fazer a esta onda.
e o problema é k não podemos fazer nada.
Abraço