sexta-feira, 6 de julho de 2012

POOC 2012

Há alguns meses atrás foi-nos dada a oportunidade de participar nogrupo de trabalho para o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Ovar- Marinha Grande, bem como no do Plano Estratégico da Figueira da Foz. Em ambos os casos defendemos o mar e a deriva litoral, esclarecendo sempre que esse era, e é, o foco das nossas preocupações.
Hoje sabemos que estivemos a falar para o boneco e confirmamos com desalento que para os técnicos a orla costeira se desenvolve com apoios de praias e duches... 
A convicção desta gente é de tal forma vincada que propõem agora paredões com 4m de altura paralelos à costa para proteger os ditos apoios da ameaça permanente do mar, que teimam em não querer conhecer. 
Para Buarcos avançam com a possibilidade da construção de três paredões com 150m, no Costa, na Pedra Grande e no Teimoso, com um valor global de 13 500 000 euros. Para o sul do Mondego temos ainda cerca de 50 000 000 euros para betão entre espigões e outros tantos paredões paralelos à costa, com a justificação da falta de areia. 
Na proposta premiada que submetemos ao Concurso de Ideias para a Praia, promovido pela CMFF para contributos ao POOC, reiterámos o BYPASS sob o Mondego como solução alternativa para a reposição da deriva litoral que iria minimizar o impacto da erosão. 
Insistimos com o representante do POOC para honrarem ocompromisso da inclusão da possibilidade do BYPASS no âmbito das propostas agora em discussão.
Sabemos agora que a nossa proposta, pela sua natureza, dificilmente poderá competir com a ambiçao de forrar a frente de mar com betão.
Viva o desenvolvimento!

2 comentários:

Sergio Grilo disse...

"Crise", na cabeça desses loucos que não pensam ou então como a velha tradição portuguesa, tem interesses. estou a falar dos paredões,colocados "estratégicamente" para acabar de vez com a actividade de quem retira da zona o pão de cada dia, já para não falar da biodiversidade existente e única, etc....o resto não é necessario "pensar" muito, temos o exemplo do molhe norte...quanto maior, maior a praia...

Sergio Grilo disse...

"Crise", na cabeça desses loucos que não pensam ou então como a velha tradição portuguesa, tem interesses. estou a falar dos paredões,colocados "estratégicamente" para acabar de vez com a actividade de quem retira da zona o pão de cada dia, já para não falar da biodiversidade existente e única, etc....o resto não é necessario "pensar" muito, temos o exemplo do molhe norte...quanto maior, maior a praia...